Blogger Backgrounds

sábado, 31 de julho de 2010

SÓ POR HOJE

Só por hoje
vou rasgar os códigos.
Desacato as regras,
a água morna,
os preços módicos.
Só por hoje
desacredito das retas,
descarrilho do trilho,
desvio das setas.

Preciso de tempo pra sonhar,
respirar fundo e carregar na mão
o sal da vida e o mel do mundo.

Se o compromisso tocar a campainha,
peço que aguarde na casa vizinha,
mansamente, sem fazer alarde.
Mas comunico a todos pela imprensa
que sumiu a lucidez.
Pediu licença.
É só por hoje,
mas agora é minha vez.

Flora Figueiredo - foto

sexta-feira, 30 de julho de 2010

OBA, é sexta feira, dia de...

Pastel e caldo de cana!

Quem não é paulista não sabe como é bom comer pastel com caldo de cana, desses das feiras livres.

Aqui perto tem feira hoje e... é claro que almoçamos... pastel com caldo de cana. O meu, como quase sempre foi de palmito mas, tem uma infinidade de sabores.

Hummm, é bom demais!!!

POR QUÊ?



Meus amigos vivem por aqui mas... se esquecem de deixar um recadinho pra mim.

Sei da passagem deles pelo Recanto porque enviam e.mail, mas, que tal deixar uma palavrinha, um comentário aqui???

Vou esperar... que sigam o blog também.

Será que estou pedindo muito???

quarta-feira, 28 de julho de 2010

DIGA NÃO AO BULLYING

Bullying é um termo da língua inglesa (bully = “valentão”) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder.


O bullying se divide em duas categorias:

a) bullying direto, que é a forma mais comum entre os agressores masculinos e
b) bullying indireto, sendo essa a forma mais comum entre mulheres e crianças, tendo como característica o isolamento social da vítima. Em geral, a vítima teme o(a) agressor(a) em razão das ameaças ou mesmo a concretização da violência, física ou sexual, ou a perda dos meios de subsistência.

O bullying é um problema mundial, podendo ocorrer em praticamente qualquer contexto no qual as pessoas interajam, tais como escola, faculdade/universidade, família, mas pode ocorrer também no local de trabalho e entre vizinhos. Há uma tendência de as escolas não admitirem a ocorrência do bullying entre seus alunos; ou desconhecem o problema ou se negam a enfrentá-lo. Esse tipo de agressão geralmente ocorre em áreas onde a presença ou supervisão de pessoas adultas é mínima ou inexistente. Estão inclusos no bullying os apelidos pejorativos criados para humilhar os colegas.

As pessoas que testemunham o bullying, na grande maioria, alunos, convivem com a violência e se silenciam em razão de temerem se tornar as “próximas vítimas” do agressor. No espaço escolar, quando não ocorre uma efetiva intervenção contra o bullying, o ambiente fica contaminado e os alunos, sem exceção, são afetados negativamente, experimentando sentimentos de medo e ansiedade.

As crianças ou adolescentes que sofrem bullying podem se tornar adultos com sentimentos negativos e baixa autoestima. Tendem a adquirir sérios problemas de relacionamento, podendo, inclusive, contrair comportamento agressivo. Em casos extremos, a vítima poderá tentar ou cometer suicídio.

O(s) autor(es) das agressões geralmente são pessoas que têm pouca empatia, pertencentes a famílias desestruturadas, em que o relacionamento afetivo entre seus membros tende a ser escasso ou precário. Por outro lado, o alvo dos agressores geralmente são pessoas pouco sociáveis, com baixa capacidade de reação ou de fazer cessar os atos prejudiciais contra si e possuem forte sentimento de insegurança, o que os impede de solicitar ajuda.

No Brasil, uma pesquisa realizada em 2010 com alunos de escolas públicas e particulares revelou que as humilhações típicas do bullying são comuns em alunos da 5ª e 6ª séries. As três cidades brasileiras com maior incidência dessa prática são: Brasília, Belo Horizonte e Curitiba.

Os atos de bullying ferem princípios constitucionais – respeito à dignidade da pessoa humana – e ferem o Código Civil, que determina que todo ato ilícito que cause dano a outrem gera o dever de indenizar. O responsável pelo ato de bullying pode também ser enquadrado no Código de Defesa do Consumidor, tendo em vista que as escolas prestam serviço aos consumidores e são responsáveis por atos de bullying que ocorram dentro do estabelecimento de ensino/trabalho.

Orson Camargo
Colaborador Brasil Escola (http://www.brasilescola.com.br/)
Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP

Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

segunda-feira, 26 de julho de 2010

SER AVÓ, SER AVÔ

Meu marido e eu sempre sonhamos com filhos e depois com netos.

E nos perguntávamos: como será quando formos avós?

Tenho só boas lembranças de minhas avós, já que não conheci os avôs mas, convivi nas férias com meu bisavô italiano, um lindo homem de olhos claros, bochechas rosadas e um lindo sorriso.

Das avós tenho a lembrança da nonna com quem viajava nas férias, com quem aprendi a fazer molho para macarronada e ver a força de uma mulher que criou 8 filhos depois da morte prematura do marido. Era uma baixinha clara como seu pai e com os mesmos olhos vivos - exigente com os filhos mas amorosa nas atitudes. Era a nonna Irma.

A outra avó, a Francisca, que chamamos sempre de Vovó Chica era um doce de pessoa. Com toda sua menirice, estava sempre calma, cheirosa, de bem com a vida e assim viveu até os 98 anos - lúcida e ainda com planos para a vida.

Com ela aprendi a fazer crochê, a cozinhar (era uma cozinheira de mão cheia) e a ver o lado bom das coisas, da pessoas, a não julgar, a ser valente diante dos obstáculos e, sempre que possível... não viver reclamando.

Essas duas mulheres, minhas avós, deixaram marcas na minha vida, na minha mente, no meu coração e delas estou sempre me lembrando, como se eu estivesse com elas na semana passada...

E, sempre quis ser uma boa avó, o que minha mãe também sonhou mas que teve pouco tempo para usufruir, pois faleceu quando os netos eram pequenos. Porém, mesmo assim é lembrada com carinho e saudade por eles - o tempo de convivência foi pequeno mas valeu por toda uma vida.

Quando chegou minha hora de ser avó... nossa, foi uma festa! Fiz planos junto com meu marido e hoje, quando a mais velha já vai fazer 12 anos e a menor 9 no ano que vem, fico pensando: como sou como avó?

Tomara que seja... uma vovó legal, pois o vovô, ah, esse é o melhor do mundo, e é difícil concorrer com ele...

Só espero que, conforme a vida for passando, elas, um dia, tenham de mim as mesmas lembranças que tenho das minhas avós e que tenham aprendido alguma coisa comigo.

Ser avó, ser avô é uma experiência única, pois é a vida se refazendo na forma de netos.

Às minhas netas desejo toda a felicidade do mundo. Que elas sejam pessoas boas, corajosas, verdadeiras, leves, alegres e que possam ser sempre... minhas netas amadas.

Beijos da Vovó Mima para Pih e Mah.

domingo, 25 de julho de 2010

VITÓRIA??? Sim, mas NOJENTA!!!

"Um domingo de vergonha para Massa, para Alonso, para a F-1, para o esporte.

Porque, num replay do GP da Áustria de 2002, a Ferrari deu uma ordem expressa e escandalosa para inversão de posições entre seus dois pilotos. E a ordem foi expressamente e escandalosamente cumprida.

Massa pilotava bem, liderava o GP da Alemanha, tinha enormes chances de encerrar um jejum de 27 provas sem vitória exatamente no dia em que seu acidente na Hungria completava um ano.

Mas, a 18 voltas do fim, o rádio foi acionado. E o brasileiro praticamente parou o carro para Alonso passar.

Por parte da Ferrari e de Alonso, falcatrua, marmelada, falta de esportividade. Por parte de Massa, e é triste escrever isso oito anos depois, acomodação, subserviência, falta de coragem."

Isso foi escrito por Fábio Seixas na Folha Online.

E, foi mesmo um escândalo o que aconteceu mais uma vez com a Ferrari...

Uma vitória de Alonso, mas uma vitória nojenta!!!

sábado, 24 de julho de 2010

GAÚCHO EU SOU

Não sou gaúcha mas... fiz dois gaúchos: uma prenda e um gaudério que, como todos, têm o maior orgulho em ter nascido por lá...

Pra eles e pra toda gauchada amiga, segue uma poesia.



Gaúcho eu sou,
não importa pra onde vou.
Levo sempre comigo
as belezas do meu chão,
e quem quiser, venha ver como é que é
o Rio Grande te espera,
venha tomar um chimarrão.

É um pedacinho do sul do meu país,
e aqui quem vive, com certeza é feliz.

E nesta terra a gente planta,

a gente ama, a gente canta
e encanta quem vem aqui.

Se, por acaso, um dia eu me bandear,
mil recordações
do meu Rio Grande irei levar;
pois um Gaúcho tem sua estampa,
jamais esquece de sua pampa,
lugar onde sempre viveu.

(Marcelo Dametto)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

QUANDO UM FILHO ANIVERSARIA

Hoje é aniversário de um de meus filhos e, num dia como hoje sempre volto ao dia do nascimento quando eu, além da expectativa de ver como ele seria, ficava pensando na responsabilidade que teria com esse novo ser que logo chegaria.

Sempre me imaginei sendo mãe de muitos filhos. Tive três mas gostaria de ter tido cinco, que depois chegaram como netas tão amadas como os filhos.

Queria que meus filhos fossem pessoas de bem, responsáveis mas que, principalmente, tivessem uma "cuca legal".

Que estivessem de bem consigo mesmos e que, por onde passassem deixassem um rastro de leveza, alegria e felicidade.

Que fossem meus amigos, amigos do pai e amigos dos irmãos. Tremia só em pensar em ter filhos que fossem inimigos e, felizmente, isso não aconteceu - eles são amigos de verdade, se amam, se curtem e vibram com a felicidade dos outros.

Pois é, hoje é dia de lembrar tudo isso e pensar em tudo que foi conquistado ao longo desses anos, quando os filhos passaram de bebês, de crianças a adultos.

E, sou feliz por ver tantos sonhos sonhados na juventude agora virados em realidade.

Então, que quero mais da vida além de continuar... vivendo?

Parabéns, filho, que a vida lhe sorria sempre. Papai e eu temos o maior orgulho em termos sido escolhidas por você na hora da decisão de voltar a este planeta maluco mas, que é aqui nossa casa de aprendizado e crescimento.

Te amamos muuuuuuuuuito. FELICIDADES!!!




quinta-feira, 22 de julho de 2010

ARNALDO ANTUNES

Eu apresento a página branca.


Contra:

Burocratas travestidos de poetas
Sem-graças travestidos de sérios
Anões travestidos de crianças
Complacentes travestidos de justos
Jingles travestidos de rock
Estórias travestidas de cinema
Chatos travestidos de coitados
Passivos travestidos de pacatos
Medo travestido de senso
Censores travestidos de sensores
Palavras travestidas de sentido
Palavras caladas travestidas de silêncio
Obscuros travestidos de complexos
Bois travestidos de touros
Fraquezas travestidas de virtudes
Bagaços travestidos de polpa
Bagos travestidos de cérebros
Celas travestidas de lares
Paisanas travestidos de drogados
Lobos travestidos de cordeiros
Pedantes travestidos de cultos
Egos travestidos de eros
Lerdos travestidos de zen
Burrice travestida de citações

água travestida de chuva
aquário travestido de tevê
água travestida de vinho
água solta apagando o afago do fogo
água mole sem pedra dura
água parada onde estagnam os impulsos
água que turva as lentes e enferruja as lâminas
água morna do bom gosto, do bom senso e das boas intenções
insípida, amorfa, inodora, incolor
água que o comerciante esperto coloca na garrafa para diluir o whisky
água onde não há seca
água onde não há sede
água em abundância
água em excesso
água em palavras.

Eu apresento a página branca.
A árvore sem sementes.
O vidro sem nada na frente.

               Contra a água.

(Arnaldo Antunes in Tudos)

terça-feira, 20 de julho de 2010

NO DIA DO AMIGO...

No DIA DO AMIGO sempre me lembro daqueles que não vejo há tempos, mas que deixaram em mim marcas de um caminho que trilhamos juntos. Foram, e são, pessoas importantes que deram à minha vida alguma coisa boa que ficou guardada até hoje.

São amigos de infância, de colégio, de trabalho, mas principalmente amigas.

Com elas descobri tantas coisas! A elas contei segredos, reparti dúvidas e cresci.

Outras pessoas foram chegando, outras que estavam se foram...

Hoje, tanto tempo depois, dá uma saudade... Uma saudade gostosa que é tão bom ter.

Há os amigos de agora, presentes na vida, na família, no trabalho, nos sonhos; eles nos ajudam, nos incentivam, nos fazem ser melhores.

Filhos também são, podem ser, devem ser... amigos. Os meus são, assim como genros, nora e, é claro, meu irmão.

E marido? O melhor amigo, o companheiro de sonhos, de realizações... esse é o meu melhor e mais querido amigo.  Obrigada, Jê!!!

FELIZ DIA DO AMIGO!!!

domingo, 18 de julho de 2010

ATÉ QUANDO?

Até quando vamos assistir homens agredindo mulheres?

Até quando vamos nos calar vendo homens humilhando mulheres?

Até quando vamos ver mães criando filhos machistas que, futuramente serão agressores de mulheres, até da própria mãe?

Até quando vamos saber de mulheres que denunciaram companheiros, pais, irmãos, namorados e que nada foi feito?


Até quando vamos ver mulheres aterrorizadas, com medo de voltar para casa por saber que lá as espera a dor, a agressão (física e verbal), a humilhação?

Até quando? Até quando?

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A ÁRVORE QUE FLORESCE NO INVERNO

Com o frio que está fazendo, me lembrei de um texto de Rubem Alves...

"Se era inverno do lado de fora, era primavera lá dentro dele, e seus botões eram testemunho da teimosia da vida."
_________________________________________________________________


Os sinais eram inequívocos. Aquelas nuvens baixas e escuras... O vento que soprava desde a véspera, arrancando das árvores folhas amarelas e vermelhas. É, o inverno estava chegando. Deveria nevar.

Viriam então a tristeza, as árvores peladas, a vida recolhida para funduras mais quentes, os pássaros já ausentes, fugidos para outro clima, e aquele longo sono da natureza, bonito quando cai a primeira nevada, triste com o passar do tempo...

Resolvi passear, para dizer adeus às plantas que se preparavam para dormir, e fui, assim, andando, encontrando-as silenciosas e conformadas diante do inevitável, o inverno que se aproximava.

E foi então que me espantei ao ver um arbusto estranho. Se fosse um ser humano, certamente o internariam num hospício, pois lhe faltava o senso da realidade, não sabia reconhecer os sinais do tempo.

Lá estava ele, ignorando tudo, cheio de botões, alguns deles já abrindo, como se a primavera estivesse chegando. Não resisti e, me aproveitando de que não houvesse ninguém por perto, comecei a conversar com ele, e lhe perguntei se não percebia que o inverno estava chegando, que os seus botões seriam queimados pela neve naquela mesma tarde.

Argumentei sobre a inutilidade daquilo tudo, um gesto tão fraco que não faria diferença alguma. Dentro em breve tudo estaria morto...

E ele me falou, naquela linguagem que só as plantas entendem, que o inverno de fora não lhe importava, o seu era um ritmo diferente, o ritmo das estações que havia dentro.

Se era inverno do lado de fora, era primavera lá dentro dele, e seus botões eram um testemunho da teimosia da vida que se compraz mesmo em fazer o gesto inútil.

As razões para isso? Puro prazer. Ah! Há tantas canções inúteis, fracas para entortar o cano das armas, para ressuscitar os mortos, para engravidar as virgens, mas não tem importância, elas continuam a ser cantadas pela alegria que contêm...

E há os gestos de amor, os nomes que se escrevem em troncos de árvores, preces silenciosas que ninguém escuta, corpos que se abraçam, árvores que se plantam para gerações futuras, lugares que ficam vazios, à espera do retorno, poemas inúteis que se escrevem para ouvidos que não podem mais ouvir, porque alguma coisa vai crescendo por dentro, um ritmo, uma esperança, um botão pela pura alegria, um gozo de amor.

E me lembrei de um pôster que tenho no meu escritório, palavras de Albert Camus: "No meio do inverno eu finalmente aprendi que havia dentro de mim um verão invencível".

E aí a alucinação teológica tomou conta da minha cabeça e me lembrei de uma velha tradição de Natal, ligada à árvore. As famílias levavam arbustos para dentro de suas casas.

E ali, neve por todas as partes, elas os faziam florescer, regando-os com água morna. Para que não se esquecessem de que, em meio ao inverno, a primavera continuava escondida em alguma parte.

Inverno: o frio, a neve, o silêncio, a morte.

Quando as plantas florescem na primavera, ali os homens escrevem os seus nomes. Mas quando as plantas florescem no inverno, ali se escreve o nome do Grande Mistério...

(Publicado em 10.2007 no jornal Folha de São Paulo)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

PRECE (Clarice Lispector)


"Alivia a minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão está dada à minha,

faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade,

faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte,

faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, faze com que eu não Te indague demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta,

faze com que me lembre de que também não há explicação porque um filho quer o beijo de sua mãe e no entanto ele quer e no entanto o beijo é perfeito,

faze com que eu receba o mundo sem receio, pois para esse mundo incompreensível eu fui criada e eu mesma também incompreensível, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, abençoa-me para eu viva com alegria o pão que eu como, o sono que durmo,

faze com que eu tenha caridade por mim mesma, pois senão não poderei sentir que Deus me amou,

faze com que eu perca o pudor de desejar que na hora de minha morte haja uma mão humana amada para apertar a minha, amém."

quarta-feira, 14 de julho de 2010

PARABÉNS, CAMPINAS!

Hoje, 14 de julho, a cidade onde nasci, CAMPINAS, está completando 236 anos. E, para quem ainda não teve o prazer de conhecê-la, seguem algumas informações.

Campinas é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo, sede da Região Metropolitana de Campinas. Localiza-se a noroeste da capital do estado, distando desta cerca de 90 quilômetros. Ocupa uma área de 795,697 km². Sua população estimada em 2009 era de 1.064.669 habitantes.

Décimo município mais rico do Brasil, o município representa, isoladamente, 0,96% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) do país, além de ser responsável por pelo menos 15% de toda a produção científica nacional, sendo o terceiro maior pólo de pesquisa e desenvolvimento brasileiro.

O município é formado pela cidade de Campinas e por quatro distritos: Joaquim Egídio, Sousas, Barão Geraldo e Nova Aparecida. É a terceira cidade mais populosa do estado de São Paulo, ficando atrás de Guarulhos e da capital paulista. Sua região metropolitana é constituída por 19 municípios e conta com 2.633.523 habitantes (IBGE/2007), o que a torna a nona mais populosa do Brasil.

Campinas faz parte do chamado Complexo Metropolitano Expandido que ultrapassa os 29 milhões de habitantes, aproximadamente 75% da população do estado inteiro. As regiões metropolitanas de Campinas e de São Paulo já formam a primeira macrometrópole do hemisfério sul, unindo 65 municípios que juntos abrigam 12% da população brasileira.

O lema de Campinas é: "No trabalho e na virtude a cidade floresce".

Prefeito atual: Hélio de Oliveira Santos (PDT)



terça-feira, 13 de julho de 2010

No DIA DO ROCK, nada melhor do que nos lembrarmos do rei... ELVIS PRESLEY!!!

Principalmente quem viveu nos chamados ANOS DOURADOS sabe o quanto ele fez parte de nossa vida, dos bailinhos, dos namoricos...

Salve o ROCK, salve ELVIS!!!

ORAÇÃO DE SÃO TOMÁS DE AQUINO

No cair da tarde, é sempre reconfortante uma oração...


"Dê-me, Senhor,

agudeza para entender,

capacidade para reter,

método e faculdade para aprender,

sutileza para interpretar,

graça e abundância para falar.


Dê-me, Senhor,

acerto ao começar,

direção ao progredir

e perfeição ao concluir."


(São Tomás nasceu em 1225 na cidade de Roccasecca, na Itália)

domingo, 11 de julho de 2010

ESPANHA - CAMPEÃ MUNDIAL - 2010


A Fúria venceu a Holanda por 1 a 0 no estádio Soccer City, em Johannesburgo, e se sagrou campeã mundial. O gol marcado por Iniesta na prorrogação serviu para encerrar de vez a série de fracassos espanhóis nas Copas.

O time de Vicente del Bosque aproveitou a força da defesa, o excelente toque de bola e o oportunismo do atacante Villa para conquistar o mundo pela primeira vez.

O título premia um país apaixonado por futebol, que conta com um dos melhores campeonatos do mundo, e coroa uma geração que venceu trocando a tradicional garra pela técnica apurada.

VIVA ESPAÑA!!!

LEI MARIA DA PENHA

Em vigor, ela garante mecanismos de defesa mais abrangentes para mulheres vítimas de violência doméstica.

Promulgada em 7 de agosto de 2006 e em vigor desde setembro do mesmo ano, a Lei 11.340/06 ganhou o apelido de Lei Maria da Penha em homenagem à biofarmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes. É uma lei especial para ser aplicada em casos de violência doméstica e garante mecanismos especiais às mulheres vítimas de agressão pelo marido ou parceiro.

A Lei impede, por exemplo, o encaminhamento do processo ao Juizado Especial – onde muitos dos casos acabam com o agressor pagando cestas básicas. Também aumenta a pena para o agressor. Antes estabelecida em de 6 meses a um ano, passa a ser de três meses a três anos.

Entre outros direitos especiais da Lei, estão a exigência da abertura de processo em caráter urgente, a inclusão da mulher em serviços de proteção e a garantia de acompanhamento por um policial caso a vítima precise ir à sua casa buscar seus pertences.

Além disso, a lei permite ao juiz impor ao agressor restrições imediatas, como perda do porte de arma e proibição de se aproximar da vítima ou dos filhos do casal.

Por Priscila Valdes Conheça a história de Maria da Penha , a mulher que lutou por quase 20 anos para ver seu agressor na cadeia e deu nome à lei especial cntra a violência doméstica

Maria da Penha Maia Fernandes, biofarmacêutica cearense, hoje com 61 anos, fez da sua tragédia pessoal uma bandeira de luta pelos direitos da mulher e batalhou durante 20 anos para que fosse feita justiça. O seu agressor, o professor universitário de economia Marco Antonio Herredia Viveros, era também o seu marido e pai de suas três filhas. Na época ela tinha 38 anos e suas filhas idades entre 6 e 2 anos.

Na primeira tentativa de assassinato, em 1983, Viveros atirou em suas costas enquanto ainda dormia, alegando que tinha sido um assalto. Depois do disparo, foi encontrado na cozinha, gritando por socorro. Dizia que os ladrões haviam escapado pela janela. Maria da Penha foi hospitalizada e ficou internada durante quatro meses. Voltou ao lar paraplégica e mantida em regime de isolamento completo.

Foi nessa época que aconteceu a segunda tentativa de homicídio: o marido a empurrou da cadeira de rodas e tentou eletrocutá-la embaixo do chuveiro.

Herredia foi a júri duas vezes: a primeira, em 1991, quando os advogados do réu anularam o julgamento. Já na segunda, em 1996, o réu foi condenado a dez anos e seis meses, mas recorreu. Com a ajuda de diversas ONGs, Maria da Penha enviou o caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA), pela demora injustificada em não se dar uma decisão ao caso.

Após as tentativas de homicídio, Maria da Penha começou a atuar em movimentos sociais contra violência e impunidade e hoje é coordenadora de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV) no Ceará.

A história de Maria da Penha pode ser conhecida na biografia que escreveu em 1994, intitulada “Sobrevivi... Posso contar”. Hoje ela atua junto à Coordenação de Políticas para as Mulheres da prefeitura de Fortaleza e é considerada símbolo contra a violência doméstica e batizou a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, sancionada pelo presidente Lula, no dia 7 de agosto de 2006.

DIVULGUEM A "LEI MARIA DA PENHA"!!! CERTAMENTE ALGUÉM SERÁ AJUDADO. Caso alguém queira o PPS sobre a mesma é só me solicitar ou baixar em:

sábado, 10 de julho de 2010

AHORA, ESPAÑA!!!

Amanhã, último jogo da Copa do Mundo de 2010 e, é hora de torcer para a Espanha.

Nossa família se reunirá com música espanhola e muita torcida.

Avante, Fúria!!!

DE ROUPA NOVA

Meu recanto está de roupa nova...

Algumas pessoas me disseram que tinham alguma dificuldade em ler com fundo preto, então, agora imagino ter ficado mais legível e, tomara que vocês gostem.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

AS FORÇAS DO AMANHÃ

"Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda?" (Paulo - Coríntios, 5:6)

Ninguém vive só.
Nossa alma é sempre núcleo de influência para os demais.
Nossos atos possuem linguagem positiva.
Nossas palavras atuam à distância.
Achamo-nos magneticamente associados uns aos outros.
Ações e reações caracterizam-nos a marcha.

É preciso saber, portanto, que espécie de forças projetamos naqueles que nos cercam.
Nossa conduta é um livro aberto. Quantos de nossos gestos insignificantes alcançam o próximo, gerando inesperadas resoluções.

Quantas frases, aparentemente inexpressivas, arrojadas de nossa boca estabelecem grandes acontecimentos!...

Cada dia emitimos sugestões para o bem ou para o mal. Dirigentes arrastam dirigidos. Servos inspiram administradores.

Qual é o caminho que a nossa atitude está indicando?

Um pouco de fermento leveda a massa toda. Não dispomos de recursos para analisar a extensão de nossa influência, mas podemos examinar-lhe a qualidade essencial.

Acautele-te, pois, com o alimento invisível que forneces às vidas que te rodeiam.

Desdobra-se o destino em correntes de fluxo e refluxo. As forças que hoje se exteriorizam de nossa atividade voltarão ao centro de nossa atividade, amanhã.

EMMANUEL (Do livro "Segue-me!" , Psicografia de Francisco Cândido Xavier, editora O Clarim)

terça-feira, 6 de julho de 2010

A VIAGEM INESQUECÍVEL

Era tarde da noite, quando o taxista recebeu o chamado. Dirigiu-se para a rua e número indicados. Tratava-se de um prédio simples, com uma única luz acesa no andar térreo.

Ele pensou, logo, em buzinar e aguardar. Mas também pensou que alguém que chamasse o táxi, tão tarde, poderia estar com alguma dificuldade. Por isso, saiu do carro, foi até a porta e tocou a campainha. Ele ouviu som como de algo se arrastando, uma voz débil dizer:

"Estou indo. Um momento, por favor."

Uma senhora idosa, pequena, franzina, com um vestido estampado, abriu a porta. Equilibrava-se em uma bengala, e, na outra mão, trazia uma pequena valise. Ele olhou para dentro e percebeu que todos os móveis estavam cobertos com lençóis.

"Pode me ajudar com a mala?" Disse a senhora.

Ele apanhou a mala e ajudou a passageira a entrar no táxi. Ela forneceu o endereço e pediu: "Podemos ir pelo centro da cidade?"

"Mas o caminho que a senhora sugere é o mais longo", observou o taxista.

"Não tem importância", afirmou ela, resoluta. "Não tenho pressa. Desejo olhar a cidade, pela última vez. Estou indo para um asilo, porque não tenho mais família e o médico me disse que morrerei breve."

O taxista, que começara a dar partida, desligou o taxímetro, sutilmente. Olhou para trás, fixou-a nos olhos e perguntou: "Aonde mesmo a senhora gostaria de ir?"

E ele a levou até um prédio, na área central da cidade. Ela mostrou o edifício onde fora ascensorista, quando era ainda mocinha.

Depois, foram a um bairro onde ela morou, recém-casada, com seu marido. Apontou, mais adiante, o clube onde dançou, com seu amor, muitas vezes.

De vez em quando, ela pedia que ele fosse mais devagar ou parasse em frente a algum edifício. Parecia olhar na escuridão, no vazio. Suspirava e olhava.

Assim, as horas passaram e ela manifestou cansaço: "Por favor, agora estou pronta. Vamos para o asilo."

Era uma casa cercada de arvoredo e, apesar do horário, ela foi recepcionada, de forma cordial por dois atendentes.

Logo mais, já numa cadeira de rodas, ela se despediu do taxista.

"Quanto lhe devo?"

"Nada", disse ele. "É uma cortesia."

"Você tem que ganhar a vida, meu rapaz!"

"Há outros passageiros", respondeu ele.

E, sensibilizado, inclinou-se e a envolveu em um abraço afetuoso. Ela retribuiu com um beijo e palavras de gratidão:

"Você deu a esta velhinha um grande presente. Deus o abençoe."


Naquela madrugada, o taxista resolveu não mais trabalhar. Ficou a cismar:

"E se tivesse, como muitos, apenas tocado a buzina duas ou três vezes e ido embora? E se tivesse recusado a corrida, pelo adiantado da hora? E se tivesse querido encerrar o turno, de forma apressada, para ir para casa?"

Deu-se conta da riqueza que é ser gentil, dedicar-se a alguém.

Dois dias depois, retornou à casa de repouso. Desejava saber como estava a sua passageira.

Ela havia morrido, na noite anterior.

domingo, 4 de julho de 2010

TRISTEZA NO CÉU

No céu também há uma hora melancólica.
Hora difícil, em que a dúvida penetra as almas.
Porque fiz o mundo? Deus se pergunta
E se responde: Não sei.

Os anjos olham-no com reprovação,
e plumas caem. Todas as hipóteses: a graça, a eternidade, o amor
caem, são plumas.

Outra pluma, o céu se desfaz.
Tão manso, nenhum fragor denuncia
o momento entre tudo e nada,
ou seja, a tristeza de Deus.

(Carlos Drummond de Andrade)

sábado, 3 de julho de 2010

ADIOS, DIEGUITO!!!

Os argentinos estavam cheios de confiança e... levaram um chocolate dos alemães! 4 x 0 - pra não deixar nenhuma dúvida!

Tanta pose, tanta arrogância e... de volta pra casa.... como os brasileiros.

Por aqui têve o maior foguetório - dos alemães que moram no bairro (e são muitos) mas, também dos brasileiros que viram os argentinos zombarem da nossa desclassificação.

Agora vou de Espanha, afinal, sou casada com um espanhol mas, se for com a Alemanha não vai ser fácil não.

Hasta la vista, Maradona!!!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

QUANDO A GENTE PENSA QUE VAI... NÃO VAI...


No futebol, como na vida, nossa luta tem que ser até o fim.

No jogo de hoje do Brasil contra a Holanda isso foi o que aconteceu: o primeiro tempo foi ótimo, todos lutando e... ganhando. Mas, no segundo tempo nem parecia o mesmo time e perderam... perdemos.  

Na vida isso também é assim: muitos relacionamentos se perdem porque no início há empenho, envolvimento e depois vai-se relaxando e tudo se perde, às vezes para sempre.

Foi pena. O Brasil parou, deixou seus afazeres para assistir ao jogo mas, infelizmente alguns jogadores erraram... muito.

Foi só uma competição esportiva mas, que doeu, ah, isso doeu. E, não gosto de ouvir "agora vamos esperar a próxima", desculpa que sempre chega e não desculpa mesmo.

No primeiro tempo Brasil poderia ter matado o jogo...

Bom chega de lamentação... vou ao almoço. Eu tinha preparado uma feijoada pra comemorar e agora... vamos à feijoada, mas sem comemoração.

É isso.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

EU TE AMO... NÃO DIZ TUDO

Você sabe que é amado(a) porque lhe disseram isso?
A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade,
Que se preocupa quando as coisas não estão dando certo,
Que se coloca a postos para ouvir suas dúvidas,
E que dá uma sacudida em você quando for preciso.

Ser amado é ver que ele(a) lembra de coisas que você contou dois anos atrás,
É ver como ele(a) fica triste quando você está triste,
E como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d'água.

Sente-se amado aquele que não vê transformada a mágoa em munição na hora da discussão.
Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.
Aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é,
Sem inventar um personagem para a relação,
Pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.

Sente-se amado quem não ofega, mas suspira;
Quem não levanta a voz, mas fala;
Quem não concorda, mas escuta.

Agora, sente-se e escute: Eu te amo não diz tudo!

(Arnaldo Jabor)