Blogger Backgrounds

domingo, 30 de dezembro de 2012

ANO NOVO

Um ano está terminando e outro, novinho está chegando...

A todos vocês que me privilegiaram com visitas e carinho, só posso desejar um ano de realizações e sonhos realizados.

Muita paz, leveza, carinho, amor... e tudo mais que vier...

Espero que em 2013 possamos continuar juntos...

Abraços e felicidades!!!



quarta-feira, 28 de novembro de 2012

NUM CAMPO DE MARGARIDAS

1


Sonhei que estavas dormindo
num campo de margaridas
sonhando que me chamavas,
que me chamavas baixinho
para me deitar contigo
num campo de margaridas.
No sonho ouvia o meu nome
nascendo como uma estrela,
como um pássaro cantando.

Mas eu não fui, meu amor,
que pena!, mas não podia,
porque eu estava dormindo
num campo de margaridas
sonhando que te chamava
que te chamava baixinho
e que em meu sonho chegavas,
que te deitavas comigo
e me abraçavas macia
num campo de margaridas.

(Thiago de Mello)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

PALAVRAS DE LYA LUFT







Já não procuro a palavra exata

que me pudesse explicar:

ando pelos contornos onde todos os significados

são sutis, são mortais.


Não busco prender o momento belo:

quero vivê-lo sempre mais 

com a intensidade que exige a vida

com o desgarramento do salto e da fulguração.


E me corto ao meio e me solto de mim duplo coração

a que vive

a que narra

a que se debate

e a que voa -

na loudcra que redimeda lucidez.






terça-feira, 13 de novembro de 2012

SILÊNCIO







Assim como do fundo da música
brota uma nota
que enquanto vibra cresce e se adelgaça
até que noutra música emudece,
brota do fundo do silêncio
outro silêncio, aguda torre, espada,
e sobe e cresce e nos suspende
e enquanto sobe caem
recordações, esperanças,
as pequenas mentiras e as grandes,
e queremos gritar e na garganta
o grito se desvanece:
desembocamos no silêncio
onde os silêncios se emudecem.

(Octávio Paz)

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

SE ME QUISEREM AMAR




Se me quiserem amar, terá de ser agora: 
depois, estarei cansada. 

Minha vida foi feita de parceria com a morte: 
pertenço um pouco a cada uma, para mim 
sobrou quase nada. 

Ponho a máscara do dia, um rosto cômodo e fixo: 
assim garanto a minha sobrevida. 

Se me quiserem amar, terá de ser hoje: 
amanhã, estarei mudada. 

(Lya Luft)

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

A ESTRELA



Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
Na minha vida vazia.
Era uma estrela tão alta!
Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha
Luzindo no fim do dia.
Por que da sua distância
Para a minha companhia
Não baixava aquela estrela?
Por que tão alto luzia?
E ouvi-a na sombra funda
Responder que assim fazia
Para dar uma esperança
Mais triste ao fim do meu dia.

(Manuel Bandeira)

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

O MEU OLHAR




O meu olhar azul como o céu 
É calmo como a água ao sol. 
É assim, azul e calmo, 
Porque não interroga nem se espanta ... 
Se eu interrogasse e me espantasse 
Não nasciam flores novas nos prados 
Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo... 

(Mesmo se nascessem flores novas no prado 
E se o sol mudasse para mais belo, 
Eu sentiria menos flores no prado 
E achava mais feio o sol ... 
Porque tudo é como é e assim é que é, 
E eu aceito, e nem agradeço, 
Para não parecer que penso nisso...)

(Alberto Caieiro)

sexta-feira, 28 de setembro de 2012



"Se procuro entre as minhas lembranças as que me deixaram um gosto durável, se faço o balanço das horas que valeram a pena, certamente só encontro aquelas que nenhuma fortuna do mundo poderia ter comprado."  (Antoine de Saint-Exupéry - em "Terra dos Homens")




"Não preciso me drogar para ser um gênio. 
Não preciso ser um gênio para ser humano.
Mas preciso do seu sorriso para ser feliz." (Charles Chaplin)

"

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

ANIVERSÁRIO DO BLOG



Em 12 de setembro de 2008, há 4 anos, abriam-se as portas deste Recanto e, ao longo desse tempo muitas pessoas passaram por aqui, poetas foram lembrados, músicas tocadas, crianças procuradas.

Espero que aqueles que por aqui passaram tenham encontrado um pouco de leveza, pois imagino que é uma das coisas que mais faltam na vida da maioria dos viventes desta terra.

Só posso agradecer a todos e prometer continuar...

Abraços,

Mima Badan

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

TENTA ESQUECER-ME




Tenta esquecer-me...
Ser lembrado é como evocar
Um fantasma... Deixa-me ser o que sou,
O que sempre fui, um rio que vai fundo...
Em vão, em minhas margens cantarão as horas,
Me recarnarei de estrelas como um manto real,
Me bordarei de nuvens e de asas,
Às vezes virão a mim as crianças banhar-se...
Um espelho não guarda as coisas refletidas!
E o meu destino é seguir... é seguir para o mar,
As imagens perdendo no caminho...
Deixa-me fluir, passar, cantar...
Toda a tristeza dos rios
É não poder parar!

(Mário Quintana)

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

CONFETE



Hoje li no Facebook umas palavras que gostei muito - são elas:

"Faça da vida confete, jogue pro alto e deixe o vento levar..."




segunda-feira, 30 de julho de 2012

A MANSIDÃO






A mansidão eu amo e sempre que entro
pelos ermos umbrais da escuridão
abro os olhos para enchê-los
da doçura dessa paz.

A mansidão eu amo sobre todas
as coisas deste mundo.

Na quietude das coisas eu descubro
um canto enorme e mudo.
E quando elevo os olhos para o céu
no estremecer das nuvens eu encontro,
na ave que cruza o espaço e até no vento
a doçura que flui da mansidão.

(Pablo Neruda)

sábado, 14 de julho de 2012

CAMPINAS, MINHA TERRA



Em 14 de julho de 1774 foi fundada e hoje tem mais de um milhão de pessoas...

É minha terra... minha linda e amada terra... Campinas!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

FUI SABENDO DE MIM


Fui sabendo de mim
por aquilo que perdia

pedaços que saíram de mim
com o mistério de serem poucos
e valerem só quando os perdia

fui ficando 
por umbrais
aquém do passo
que nunca ousei

eu vi
a árvore morta
e soube que mentia

(Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas)


sexta-feira, 22 de junho de 2012

AMOR



O amor quando se revela
Não se sabe revelar
Sabe bem olhar pra ela
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer.

Mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar.

Mas quem sente muito cala
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala
Fica só inteiramente.

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar
Já não terei que contar-lhe
Porque lhe estou a falar.

(Fernando Pessoa)


sexta-feira, 15 de junho de 2012

ELES DISSERAM...



"Amigo é a luz que não deixa a vida escurecer." 
(Érico Veríssimo)

"Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade."
(Carlos Drummond de Andrade)

"O amor à verdade ensinou-nos a beleza do compromisso."
Mahatma Gandhi

"Quero conhecer o pensamento de Deus. O resto é detalhe."
Einstein

"Quando você percebe que nada lhe falta, o mundo inteiro te pertence."
Lao Tse

"Quando a liberdade é deixada intacta, o amor cresce infinitamente."
(Osho)

"Quem não compreende um olhar não compreende uma longa explicação."
(Mário Quintana)

quinta-feira, 24 de maio de 2012

INGRATIDÃO

Nunca mais me esqueci!... Eu era criança
E em meu velho quintal, ao sol nascente,
Plantei, com a minha mão ingênua e mansa,
Uma linda amendoeira adolescente.

Era a mais rútila e íntima esperança...
Cresceu... cresceu... e, aos poucos, suavemente,
Pendeu os ramos sobre um muro em frente
E foi frutificar na vizinhança...

Daí por diante, pela vida inteira,
Todas as grandes árvores que em minhas
Terras, num sonho esplêndido semeio,

Como aquela magnífica amendoeira,
Eflorescem nas chácaras vizinhas
E vão dar frutos no pomar alheio...




RAUL DE LEONI
Transcrito de "Luz Mediterrânea". pp. 73-73

RAUL DE LEONI
Petrópolis, RJ, 1895 - Itaipava, RJ, 1926

terça-feira, 15 de maio de 2012

UM POUCO DE FERNANDO PESSOA



Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!

E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.

Grécia, Roma, Cristandade,
Europa - os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem vier a verdade
Que morreu D. Sebastião?

(Do livro MENSAGEM)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

A MANSIDÃO



A mansidão eu amo e sempre que entro
pelos ermos umbrais da escuridão
abro os olhos para enchê-los
da doçura dessa paz.

A mansidão eu amo sobre todas
as coisas deste mundo.

Na quietude das coisas eu descubro
um canto enorme e mudo.
E quando elevo os olhos para o céu
nos estremecer das nuvens eu encontro,
na ave que cruza o espaço e até no vento
a doçura que fluida mansidão


PABLO NERUDA

domingo, 15 de abril de 2012

ENTRE PARTIR E FICAR


(Rarindra Prakarsa)


Entre partir e ficar hesita o dia,
enamorado de sua transparência.


A tarde circular é uma baia:
em seu quieto vai e vem se move o mundo.


Tudo é visível e tudo é ilusório,
tudo está perto e tudo é intocável.


Os papéis, o livro, o vaso, o lápis
repousam à sombra de seus nomes.


Pulsar do tempo que em mima têmpora repete
a mesma e insistente sílaba de sangue.


A luz faz do muro indiferente
um espectral teatro de reflexos.


No centro de um olho me descubro;
não me vê, não me vejo em seu olhar.


Dissipa-se o instante. Sem mover-me,
eu permaneço e parto: sou uma pausa.


(Octávio Paz)


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012




"Naquele carnaval, pois, pela primeira vez na vida eu teria o que sempre quisera: 

ia ser outra que não eu mesma."

(Clarice Lispector) 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Sidarta - Filme Completo




"Sou composta por urgências:
minhas alegrias são intensas;
minhas tristezas, absolutas.


Me entupo de ausências,
me esvazio de excessos.


Eu não caibo no etreito,
eu só vivo nos extremos."


(Clarice Lispector)



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012



"Enquanto houver um louco, um poeta e um amante 
haverá sonho, amor e fantasia.

E enquanto houver sonho, amor e fantasia, 
haverá esperança."

(William Shakespeare)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012



"Dê a quem você ama
asas para voar,
raízes para voltar e
motivos para ficar.”

Dalai Lama

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

DRUMMOND E ADÉLIA

Carlos Drummond de Andrade escreveu "POEMA DAS SETE FACES" e Adélia Prado respondeu com "COM LICENÇA POÉTICA". Vejam:




Quando nasci, um anjo torto 
desses que vivem na sombra 
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens 
que correm atrás das mulheres. 
A tarde talvez fosse azul, 
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas: 
pernas brancas pretas amarelas. 
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. 
Porém meus olhos 
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode 
é sério, simples e forte. 
Quase não conversa. 
Tem poucos, raros amigos 
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste 
se sabias que eu não era Deus 
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo, 
se eu me chamasse Raimundo 
seria uma rima, não seria uma solução. 
Mundo mundo vasto mundo, 
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer 
mas essa lua 
mas esse conhaque 
botam a gente comovido como o diabo


Com licença poética

Adélia Prado

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade da alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.



domingo, 22 de janeiro de 2012

EN PAZ





Muy cerca de mi ocaso, yo te bendigo, Vida, 
porque nunca me diste ni esperanza fallida, 
ni trabajos injustos, ni pena inmerecida; 
porque veo al final de mi rudo camino 
que yo fui el arquitecto de mi propio destino; 
que si extraje la miel o la hiel de las cosas, 
fue porque en ellas puse hiel o mieles sabrosas: 
cuando planté rosales coseché siempre rosas. 
Cierto, a mis lozanías va a seguir el invierno: 
¡mas tú no me dijiste que mayo fuese eterno! 

Hallé sin duda largas las noches de mis penas; 
mas no me prometiste tan sólo noches buenas; 
y en cambio tuve algunas santamente serenas... 
Amé, fui amado, el sol acarició mi faz. 
¡Vida, nada me debes! ¡Vida, estamos en paz!


Amado Nervo

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

PESSOAS E ESTRELAS


As pessoas têm estrelas que não são as mesmas.

Para uns, que viajam, as estrelas são guias.

Para outros, elas não passam de pequenas luzes.

Para outros, os sábios, são problemas.

Para o meu negociante, eram ouro.

Mas todas essas estrelas se calam.

Tu porém, terás estrelas como ninguém...

Quero dizer? Quando olhares o céu à noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então, será como se todas as estrelas te rissem!

E tu terás estrelas que sabem sorrir!

Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido.

Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá).

Terás vontade de rir comigo.

E abrirás, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu.

Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!

Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupéry, filho do cone e da condessa de Foscolombe (29 de junho de 1900, Lyon - 31 de julho de 1944) foi escritor, ilustrador e piloto da Segunda Guerra Mundial.




quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

GOSTO...




Gosto de gente com a cabeça no lugar, de conteúdo interno, idealismo nos olhos e dois pés no chão da realidade.
Gosto de gente que ri, chora, se emociona com uma simples carta, um telefonema, uma música suave, um bom filme, um bom livro, um gesto de carinho, um abraço, um afago.
Gente que ama e curte saudades, gosta de amigos, cultiva flores, ama os animais. Admira paisagens, poeira; e escuta.
Gente que tem tempo para sorrir bondade, semear perdão, repartir ternuras, compartilhar vivências e dar espaço para emoções dentro de si, emoções que  fluem naturalmente de dentro de seu ser!
 Gente que gosta de fazer as coisas que gosta, sem fugir de compromissos difíceis e inadiáveis, por mais desgastantes que sejam.
Gente que colhe, orienta, se entende, aconselha, busca a verdade e quer sempre aprender, mesmo que seja de uma criança, de um pobre, de um analfabeto.
Gente de coração desarmado, sem ódio e preconceitos baratos. Com muito amor dentro de si.
Gente que erra e reconhece, cai e se levanta, apanha e assimila os golpes, tirando lições dos erros e fazendo redentoras suas lágrimas e sofrimentos.

Gosto muito de gente assim...

e desconfio que é desse tipo de gente que Deus também gosta!

(Artur da Távola)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

RECEITA DE ANO BOM


Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,

Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegrama?).

Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade