Blogger Backgrounds

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

GOSTO DE POESIA

Aprendi a gostar de poesia com minha mãe, Dona Martha. Ela tinha alguns cadernos onde escrevia aquelas das quais mais gostava, além de pensamentos e letras de música.

E, meu poeta preferido é Thiago de Mello, sendo dele meu livro preferido, "Faz escuro mas eu canto".  E, entre tantas poesias que ele escreveu, a que gosto mais é "A vida verdadeira", que está aí embaixo.

Não sei porque a gente elege um escritor, um poeta, uma poesia, um livro, uma música... Acho outras poesias até mais bonitas, mas... não são as minhas prediletas...

Ouço músicas mais bonitas que "Modinha", "Polonaise nº 6", mas, não são as minhas preferidas...

A gente gosta, elege e pronto! Pra que procurar saber o motivo???


A VIDA VERDADEIRA

Pois aqui está a minha vida.
Pronta para ser usada.
Vida que não guarda
nem se esquiva, assustada.
Vida sempre a serviço
da vida.
Para servir ao que vale
a pena e o preço do amor

Ainda que o gesto me doa,
não encolho a mão: avanço
levando um ramo de sol.
Mesmo enrolada de pó,
dentro da noite mais fria,
a vida que vai comigo
é fogo:
está sempre acesa.

Vem da terra dos barrancos
o jeito doce e violento
da minha vida: esse gosto
da água negra transparente.

A vida vai no meu peito,
mas é quem vai me levando:
tição ardente velando,
girassol na escuridão.

Carrego um grito que cresce
Cada vez mais na garganta,
cravando seu travo triste
na verdade do meu canto.

Canto molhado e barrento
de menino do Amazonas
que viu a vida crescer
nos centro da terra firme.
Que sabe a vinda da chuva
pelo estremecer dos verdes
e sabe ler os recados
que chegam na asa do vento.
Mas sabe também o tempo
da febre e o gosto da fome.

Nas águas da minha infância
perdi o medo entre os rebojos.
Por isso avanço cantando
Estou no centro do rio
estou no meio da praça.
Piso firme no meu chão
sei que estou no meu lugar,
como a panela no fogo
e a estrela na escuridão.

O que passou não conta ?, indagarão
as bocas desprovidas.
Não deixa de valer nunca.
que passou ensina
com sua garra e seu mel.

Por isso é que agora vou assim
no meu caminho. Publicamente andando
Não, não tenho caminho novo.
O que tenho de novo
é o jeito de caminhar.
Aprendi
(o que o caminho me ensinou)
a caminhar cantando
como convém
a mim
e aos que vão comigo.
Pois já não vou mais sozinho.

Aqui tenho a minha vida:
feita à imagem do menino
que continua varando
os campos gerais
e que reparte o seu canto
como o seu avô
repartia o cacau
e fazia da colheita
uma ilha do bom socorro.

Feita à imagem do menino
mas a semelhança do homem:
com tudo que ele tem de primavera
de valente esperança e rebeldia.

Vida, casa encantada,
onde eu moro e mora em mim,
te quero assim verdadeira
cheirando a manga e jasmim.
Que me sejas deslumbrada
como ternura de moça
rolando sobre o capim.

Vida, toalha limpa
vida posta na mesa,
vida brasa vigilante
vida pedra e espuma
alçapão de amapolas,
sol dentro do mar,
estrume e rosa do amor:
a vida.

Há que merecê-la.

4 comentários:

leonor costa disse...

Cara amiga, vim conhecer o seu blog e também agradecer-lhe a sua visita ao meu NA CORRENTE DA VIDA.Gostaria que conhecesse HOJE E AMANHÃ que tem poesias minhas. Aguardo a sua visita. Será bem-vinda!

www.hojeeamanh.blogspot.com

Mizinha disse...

EU ADORO POESIAS...BONITO SEU BLOG, HOJE ESTOU TE VISITANDO, E FIQUEI ENCANTADA, UM BOM DIA PARA VOCE,E UM ABRAÇO AMIGA BADAN.

ADNAJAK disse...

Meu nome é Adna, mais conhecida como Adnajak, costumo formatar textos que me me toquem a alma. E esse texto é belo! Quando lí senti meu coração flutuar. Parabéns!
Adna de Souza

Valdecy Alves disse...

Parabéns pelo blog voltado para cultura. Leia minha poesia: CANTO AO CEARÁ, selecionada para coletânea do XII Prêmio Ideal Clube de Literatura. Obra lançada no dia 21 de janeiro de 2010. Leia, comente e divulgue. Veja também meu documentário, penúltima matéria do blog: Padim Ciço, Santo ou Coronel? Meu blog: www.valdecyalves.blogspot.com