Blogger Backgrounds

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

LIRA PAULISTANA

A MEDITAÇÃO SOBRE O TIETÊ

(trecho inicial)

Água do meu Tietê,
Onde me queres levar?
— Rio que entras pela terra
E que me afastas do mar...
É noite. E tudo é noite. Debaixo do arco admirável
Da Ponte das Bandeiras o rio
Murmura num banzeiro de água pesada e oleosa.
É noite e tudo é noite. Uma ronda de sombras,
Soturnas sombras, enchem de noite tão vasta
O peito do rio, que é como se a noite fosse água,
Água noturna, noite líquida, afogando de apreensões
As altas torres do meu coração exausto. De repente
O óleo das águas recolhe em cheio luzes trêmulas,
É um susto. E num momento o rio
Esplende em luzes inumeráveis, lares, palácios e ruas,
Ruas, ruas, por onde os dinossauros caxingam
Agora, arranha-céus valentes donde saltam
Os bichos blau e os punidores gatos verdes,
Em cânticos, em prazeres, em trabalhos e fábricas,
Luzes e glória. É a cidade... É a emaranhada forma
Humana corrupta da vida que muge e se aplaude.
E se aclama e se falsifica e se esconde. E deslumbra.
Mas é um momento só. Logo o rio escurece de novo,
Está negro. As águas oleosas e pesadas se aplacam
Num gemido. Flor. Tristeza que timbra um caminho
de morte.
É noite. E tudo é noite. E o meu coração devastado
É um rumor de germes insalubres pela noite insone e
 humana.


Mário de Andrade
De Lira Paulistana - fevereiro de 1945 (escrito 13 dias antes de sua morte)

Figura central do modernismo brasileiro, o paulistano Mário de Andrade (1893-1945) foi muito mais do que poeta. Músico, romancista, contista, professor, estudioso de cultura popular, ensaísta, prolífero escritor de cartas e — como se diz hoje —poderoso agitador cultural, ele parece confirmar a multiplicidade anunciada no verso: "Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cinquenta".

Nenhum comentário: